Alpendre poesia

Três poemas de Indiara Nicoletti

“Caminhando”, de Indiara Nicoletti. Gravura em metal. Técnica: ponta seca. Ano: 2017.

Flores azuis

As calçadas
estão repletas
de pétalas.

Flores tombando,
declinando,
colorindo as janelas.

Cobrindo a cidade bela.

Quero parar o passo
e me curvar
para estas flores alcançar.

Colher neste concreto.

Mas prefiro
congelar a sua beleza
adormecida.

Meu coração
já parou de bater.

Alto, entre ecos
e turbilhões…

Fez-se silêncio.

Em meu corpo
interno.
Fez-se silêncio.

Em meu corpo
externo.
Fez-se silêncio.

Em meus passos,
No mover dos carros,
No vento que despetala…

Nesta noite
tranqüila e ávida.

Fez-se silêncio.

Em meus lábios
adormecidos,
Sonhos foram…
silenciados.

E tudo o que me resta,
Nesta noite
repleta de sereno.

Onde o inverno desenhou
com giz pastel seco…

Borrou
estas flores
azuis.

Em meu
caminho
rotineiro

Onde todo agitado mar,
Foi levado pelo vento.

Em meu céu

Bem longe,
Bem longe,
Bem longe…

Entre as brumas
e devaneios.

Nestas flores azuis,
despetalando todos
os sentimentos.

Fez-se
silêncio

*

Pediu a si
Que tudo
se cale

Como
as pedras
e rochas

Contornando
o mar

Paisagem
Perdida
Outra
Miragem

Distante
Tempo

Repousa
O voo
dos pássaros
Entre
as árvores

Na janela
já não há

Espaço

O sonhar
preencheu
todos os céus

*

Quando
o dia raiar

Você
irá avistar

Girassóis
a girar

Campo
macio
Camomila
Sonhos

Despertam
Vento
Azul

Alfazemas
Entre a nuca
e o céu

Pássaros
Aos seus
ouvidos

Lhe beijam
Esta canção

Leve
contigo
este dia

Um
gesto
singelo

Esta
bruma
rosa- doce

O ar
dourado

De um
mar
De Sol

*

Os três poemas fazem parte do livro Canção do mar além (Editora Córrego, 2019).

***

.

Indiara Nicoletti Ramos (São Paulo/SP) é autora do livro Canção do mar além, recentemente publicado pela Editora Córrego/2019. Bacharel em Artes Plásticas pela UDESC – Univ. do Estado de Sta. Catarina, participou de diversas exposições, no Brasil, Canadá e Argentina, entre elas; “Tipografia: Substantivo Feminino”, com curadoria de Juliana Crispe em 2019 na galeria Choque Cultural/SP, e em 2020 no Design Center/Curitiba, e a exposição “A história ocultou e a cidade tem para nos contar”, curadoria de Juliana Crispe, Lilian Amaral e Baixo Ribeiro. Ambas como parte da programação da Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba/2019 e 2020. Trabalha com desenhos, gravuras e poesias, na área da gravura no campo expandido realizou a instalação “Olho/Infinito/Labirinto” em 2017, que fez parte da exposição coletiva “Corpos que percorrem um espaço dividido” na Funarte/SP. A instalação consiste em um panorama de gravuras com mais de 12 metros, um labirinto em tecido voil e uma gravação sonora com textos autorais de 38:38 minutos. A exposição é fruto de uma residência artística que durou oito meses “Ateliers Educativos – MINC/Funarte”, através do Coletivo Amuela em 2017.
Como escritora participou das seguintes antologias; Sto. Largo Treze/2008, Antologia Sarau do Burro/Selo DoBurro/2012, Antologia Sarau do Binho/2013, Antologia Ruínas – Editora Patuá/2020, com o conto “Safira”.

Link para a compra do livro Canção do mar além/Editora Córrego: https://editoracorrego.minhalojanouol.com.br/produto/267961/cancao-do-mar-alem-de-indiara-nicoletti-ramos

%d blogueiros gostam disto: