Lançamento lide liquido

‘Nas brechas do existir, na esteira do porvir’: Pedro Salvador lança novo EP ‘Traste’

Arte da capa do EP ‘Traste’: Lara Rani

Lançado pelo selo independente Voragem, o EP ‘Traste’ traz uma mistura de psicodelia, blues rock em uma atmosfera underground e está disponível nas principais plataformas de streaming.

O músico multi-instrumentista e compositor alagoano, Pedro Salvador (Necro, Messias Elétrico), lançou nesta sexta-feira (10) o seu novo EP solo: ‘Traste‘. Disponível em todas as principais plataformas de streaming e no YouTube, o EP foi lançado pelo selo independente Voragem e gravado em home studio.

Traste é o sexto EP de Pedro Salvador e conta com quatro faixas, sendo três músicas de compositores do underground alagoano e apenas uma de sua autoria: ‘Traste’, de Holanda Jr; ‘Cheiro de Gasolina’, de Carmen Cunha (Lammia, Carmen Blues); ‘Puro pra Você’, de Roberto Teodósio; e ‘Na Sujeira da Cidade Deixarei o Meu Penar Até Morrer’, de Pedro Salvador.

As três primeiras músicas do EP foram compostas antes da pandemia, mas, segundo o músico, dialogam perfeitamente com o agora. “E até que consigamos deter a marcha destruidora do capital sobre nossas sobrevivências e afetos, estas músicas continuarão poderosas e necessárias”, diz.

“Eu estou chamando, mas não tenho onde ir // Estou caminhando nas brechas do existir // Na esteira do porvir” (Trecho de ‘Na Sujeira da Cidade Deixarei o Meu Penar até Morrer’, quarta faixa do EP ‘Traste’, de Pedro Salvador).

Com mais de dez anos de carreira, seis EP’s e dois álbuns lançados, o músico conta que ‘Traste’ continua algumas explorações que ele iniciou em ‘Glitch Witch’, EP lançado em 2019.

“Mas enquanto “Glitch Witch” foca, liricamente, nas fronteiras da percepção e cognição humanas, “Traste” pisa no chão com pés descalços. São canções urgentes, que transpiram raiva e frustração”, afirma Pedro Salvador.

O EP tem pouco mais de nove minutos de duração e as músicas tem uma mistura de blues, funk, jazz e r&b tocado com instrumentos distorcidos em alto volume.

Arte do EP é assinada pela psicóloga e professora Lara Rani, que usou uma técnica mista de colagem e pintura, com os trechos extraídos da Constituição. Segundo ela, isso simboliza “as derrotas (in)constitucionais que temos presenciado. O carro em chamas refere-se ao desapego à propriedade e à legitimidade da raiva do povo diante de tanta injustiça”.

Para a enfermeira obstétrica e professora, Bárbara Oliveira, em um mundo tão ruidoso, faz falta parar pra ouvir: “Sempre acreditei que músicas falam conosco, contam histórias, guardam nossas memórias, registram opiniões, eternizam amores e também gritam revoltas”. Para Bárbara, em meio a uma pandemia, “na qual olhar para o outro é repensar nossas prioridades individuais, eis que calhou de um trabalho de produção ‘tão solo’ falar e pensar o coletivo”.

Pedro Salvador. Foto: Magda Braz.

Pedro Salvador:

Com mais de dez anos de carreira, seis EP’s e dois álbuns lançado, Pedro Salvador é um músico multi-instrumentista e compositor alagoano. Ele já passou por diversos projetos, tais como as bandas Mente Profana, Canela Seca, Messias Elétrico e Jude. Atualmente Pedro integra o projeto instrumental Guitarra Alagoana, junto com Bruno Palagani e a banda Necro, com a qual lançou 3 discos, tanto em selos do Brasil, quanto dos Estados Unidos e mesmo da Europa (Hydro-Phonic, Electric Magic, Abraxas e Baratos Afins). O mais recente lançamento foi o EP “Pra Tomar Chá”, lançado em 2019. Pedro também lançou dois discos com a Messias Elétrico, pela gravadora Baratos Afins e colaborou nos lançamentos solo de Lillian Lessa (Necro): o EP Expresso (2015) e o álbum “Utopia” (2018). Além disso, o músico também participou de uma faixa do álbum “Enquanto não durmo o dia é o mesmo” (2016) de Melinna (da banda Oldscratch) e tocou em algumas faixas da trilogia de discos “Origem” de Alessandro Aru (que tocou na Messias Elétrico, na Mopho e na Canela Seca). Paralelamente a tudo isso, Pedro vem desenvolvendo seu trabalho solo, que já conta com seis EP’s e dois álbuns (“Pedro Salvador”, de 2017 e “Pedro Salvador e O Caos Rastejante”, de 2019) lançados.

%d blogueiros gostam disto: