Alpendre

[video-poema] Epiglote, de Flávia Andrade

Epiglote (20/5/2020)

agora o que resta?
nos tiraram o abraço
o ar
a fuga
se antes chorávamos os sem teto cobrindo
agora
além do choro da ausência do muro que protege
Choramos a rua
vetada
nos tiraram as estradas a calçada a vizinhança a feira
o mar

restam os devaneios
nos roubaram os sussurros em meio a barulhos de concreto duro
Aquele que nos carregava para nossas multidões
Antes invisíveis – agora desejáveis
Nas massas
o barulho disforme que antes nos obrigava a lamber ouvidos em palavras gritadas
cala agora desde dentro da nossa traquéia

resta ela
A traquéia
intubada

vetado o vento
resta o ar mecânico e as torres caras do oxigênio comprado
restam mãos cansadas
que pulsam bravamente os corações desistentes

restam corações sem respiradores
não foram sorteados na loteria dos vivos
desmerecidos
envelhecidos

nos tiraram avós e filhos
Nos levaram os abraços e as flores no cemitério de partidas
que já antes nos negavam

Choros?
Já diziam feios
os lutos?
Fraquezas de quem vive
Vetado o adeus
Agora e lá ontem
enterro do luto

lá e hoje
resta
a fraqueza resignada e a abafada perda
a traiçoeira perseguição da palavra trocada
se choraria a saudade de quem amo e foi
resta engolir e ficar
negação da dor
moral do declínio

restam as fugas para dentro
a deglutição obrigatória
do intolerável

nos levaram as ruas da revolta

Roubados os narcisismos
agora exaustivos

roubada a perspectiva
a ilusão da certeza
da planilha de meses vindouros

Restam memórias e pesadelos
agora bem-vindos

Restam
Os filtros do ar
olhos
o embaçado do vidro para ver o mundo
inacessível
e resta
o silêncio

***

Flávia Andrade nasceu em São Paulo e é apaixonada pelas noites da cidade. Psicóloga, psicanalista e mestre em Filosofia de formação, sente-se atraída desde cedo por arte, teatro e poesia. Quer colocar em verso aquilo que não pode ser racionalizado pelas vias formais do conhecimento e da compreensão humana.
É autora do livro “A cidade do tempo cão e outros poemas de fissuras”, lançado em 2020 pela Editora Patuá.

%d blogueiros gostam disto: