Alagoas lide liquido

‘Tudo Vai Ficar Como era Antes’: banda alagoana Os Fugitivos lança primeiro volume de disco de estreia

Capa do álbum Tudo Vai Ficar Como Era Antes. Arte: Thiago Mata

O lançamento ocorre nesta quarta-feira (27) nas principais plataformas de streaming.

Tudo Vai Ficar Como era Antes é título do álbum de estreia da banda alagoana Os Fugitivos, que lançou o primeiro volume do trabalho nesta quarta-feira (27). Com seis faixas (Ôôô, O Farol, Tudo vai ficar como era antes, Vou me encontrar, Bandeira e Pai), Tudo Vai Ficar Como era Antes (Vol. 1) fala sobre proteção, abandono, sensação de querer e ser quisto, vontade de independência e importância dos laços: pais, mães, namorados, amigos etc.

O disco foi dividido em duas partes por questões de logística – muito por causa desses tempos reclusos de pandemia do Coronavírus – e também como forma de manter um movimento constante de lançamentos. Tudo Vai Ficar Como era Antes (Vol. 2) está previsto para 2021.

Contracapa do álbum Tudo Vai Ficar Como Era Antes. Arte: Thiago Mata

O primeiro single do novo trabalho d’ Os Fugitivos, “O Farol”, teve boa repercussão na mídia local – foi destaque na Gazeta de Alagoas, um dos maiores jornais do estado – e também na imprensa especializada nacional, com passagens nos sites Música Pavê, Hits Perdidos e Scream&Yell.

A música “Ôôô”, segundo single lançado no dia 13 de maio, também teve um ótimo alcance, chegando a ser incluída na playlist Indie Brasil, a oficial do gênero do Spotify – um dos maiores serviços de streaming do mundo – , ao lado de artistas como Cícero, Vanguart, Letrux, Clarice Falcão, Selvagens à Procura de Lei, Terno Rei e outros.

Segundo o grupo, “o processo de composição desse disco foi fluído e, de forma bem natural, acabamos resgatando a essência das nossas formações identitárias e musicais, nos distanciando do nosso material anterior e mergulhando num mundo mais brasileiro com foco em vocais leves, instrumentos percussivos e linhas de linhas de baixo dançante”.

As músicas são de autoria do vocalista e guitarrista Thiago Mata. Segundo o músico, a inspiração para o repertório veio de um projeto no formato voz e violão que acabou não dando certo: “Todo esse processo foi muito natural, os temas, as letras, as composições. Depois eu fui perceber que as músicas conversavam e que dava pra transformar aquilo num disco, numa obra mais completa e até com uma temática envolvendo todas elas”.

Gravado no Maná Records, estúdio e selo de gravação onde Thomas Schaeffer, baixista, e o próprio Thiago trabalham, o álbum contou também com Yuri Torres na bateria e Marina Ribeiro e Alexis Gotsis nos vocais de apoio. As capas e as artes do álbum são também de Thiago Mata.

Os Fugitivos

Formada por Thomas Schaeffer, Thiago Mata e Yuri Torres, Os Fugitivos surgiram em 2018 a partir da dissolução da banda Pacamã – originalmente também com Mateus Borges (Cães de Prata), Igor Cavalcante e Mateus Magalhães (Azul Azul). Yuri, conhecido pelo trabalho na banda Palhaço Paranoide, se juntou ao grupo em 2019. O conjunto transita entre o indie rock e a nova MPB, inspirado em artistas como Novos Baianos, Jorge Ben Jor, Los Hermanos, O Terno, Maglore, Banda do Mar e Apanhador Só.

%d blogueiros gostam disto: