Alagoas lide liquido

Fórum de Teatro de Maceió lança Carta Manifesto

Foto: Reprodução

Em suas redes sociais, a Secretaria de Cultura de Alagoas (Secult/AL) anunciou, nesta sexta (3), um edital para artistas alagoanos que minimize o impacto do novo coronavírus neste segmento e para que os profissionais tenham oportunidade de continuar produzindo.

Enquanto isso não ocorre, o impacto da pandemia do novo coronavírus já é sentido no dia a dia de artistas, produtores, empresas de entretenimento e empreendedores culturais em Alagoas.

Segmento também diretamente afetado pelas medidas de isolamento, a classe teatral, via Fórum de Teatro de Maceió, lançou, no dia 27/3, uma “Carta Aberta” destinada aos órgãos públicos, em solicitação de atendimento às demandas do segmento devido a atual crise da pandemia do novo coronavírus.

Lançada no Dia Mundial do Teatro, data sempre marcada por apresentações comemorativas, encontros e resistência, a carta inicia com uma poesia como epígrafe (“Não existe teatro sem plateia, sem olho no olho, sem o calor das luzes, sem suor, sem os encontros pós-apresentação. Tudo o que, hoje, para nossa própria segurança e para a segurança de vocês, não podemos doar…”).

Na carta, o Fórum de Teatro de Maceió contextualiza a criação do I Festival de Teatro do Brasil, que, envolvendo 20 estados e 59 cidades, aconteceria do dia 19 ao dia 27 de março e precisou ser adiado.

“A classe teatral e cultural vive um processo de renovação da sua organização em todo o país, na luta contra a criminalização da arte e do artista, tendo como uma das ações de fortalecimento do segmento a criação do I Festival de Teatro do Brasil. Trata-se de uma ação colaborativa […] para denunciar e derrotar a censura, a ignorância e os ataques fascistas protagonizados pelo presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, juntamente com sua equipe de governo, que ameaçam de forma carrasca a nossa democracia. Esta é uma união de classe que resiste diante dos posicionamentos que ferem o estabelecimento de políticas públicas para a arte e cultura”.

A carta foi uma construção coletiva do segmento teatral e finda com a cobrança de onze medidas urgentes. Uma delas envolve a inclusão de representação da pasta da cultura no comitê de crise. A Prefeitura de Maceió, no decreto Nº 5925ª, não incluiu a Secretaria de Cultura dentre os departamentos públicos que formam o gabinete de crise no combate a pandemia do novo Coronavírus. Segundo o Fórum, a inclusão da pasta garantiria maior representatividade e poderia contribuir de forma mais efetiva para as demandas culturais e sociais.

Entre outras medidas, a carta cobra da Prefeitura e do Governo do Estado o lançamento, em nível estadual e municipal, para apresentações em ambiente virtual, garantindo a continuidade das atividades culturais, com seleção ágil e simplificada, a exemplo dos seguintes festivais Te Aquieta em Casa (Pará), Edital para Shows e Apresentações Online (Maranhão), Ceará Dendicasa: Festival de Arte de Casa para o Mundo (Ceará), Janelas de São Paulo (Prefeitura de São Paulo).

A carta manifesto foi lida pela atriz e arte educadora Ticiane Simões, em uma live promovida pela Cia do Chapéu, via Instagram.

Leia a carta na íntegra AQUI

1 comentário em “Fórum de Teatro de Maceió lança Carta Manifesto

%d blogueiros gostam disto: