lide liquido

Prêmio Casa das Américas divulga lista de premiados

Ontem (30) foi dia de conhecer os vencedores da 61ª edição do Prêmio Casa das Américas, um dos concursos literários mais importantes da América Latina. São seis categorias, tais como, por exemplo, conto, teatro, ensaio de tema artístico literário.

Na categoria Literatura Brasileira / Não ficção, que contou com o júri formado por Flávio Carneiro, Pedro Meira Monteiro e Manuela D’Ávila, o prêmio principal ficou com “Paletó e eu: memórias de meu pai indígena” (Todavia), de Aparecida Vilaça, doutora em antropologia social e professora do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Aparecida Vilaça. Foto: Divulgação

“Paletó e eu” foi publicado em 2018 e apresenta um primeiro relato pessoal sobre anos de convivência com os Wari’. Em especial, com um homem chamado Paletó, que faleceu aos 85 anos, depois de ter vivido por décadas na floresta em meio aos Wari’.

Desde 1986, Aparecida Vilaça tem vivido longos períodos entre eles e, aos poucos, construiu com Paletó uma relação de pai e filha.

Menções honrosas

Os livros “Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI” (Relicário Edições e Editora PUC-Rio), de Leonardo Villa-Forte; “A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil” (Todavia), de Bruno Paes Manso e Camila Nunes Dias e “O Brasil e seu duplo” (Todavia), de Luiz Eduardo Soares receberam Menção Honrosa

“Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI” é um ensaio dedicado “à capacidade da literatura de se colocar em perigo e duvidar de si mesma”.

No livro, escritores, artistas e poetas contemporâneos servem de matéria-prima para Leonardo Villa-Forte colocar em xeque a noção de originalidade na escrita.

O prêmio

Instituído em Cuba em 1960, o Prêmio Casa das Américas nasceu com o objetivo de dar publicidade para a arte e a cultura.

Assim, desde então, todos os anos, literatos, poetas, cineastas, dramaturgos e intelectuais do continente latino-americano são chamados a apresentar seus trabalhos. O prêmio tem uma sessão especial de literatura brasileira e também de literatura em inglês e creole.

Na categoria Literatura brasileira já foram premiados, por exemplo, Oduvaldo Vianna Filho, Moacyr Scliar, Ana Maria Machado, Chico Buarque, Ziraldo, Rubem Fonseca, Antônio Callado, João Ubaldo Ribeiro e Deborah Dornellas, vencedora em 2019 com o seu romance de estreia, “Por cima do mar” (Patuá).

Confira a lista completa de premiados AQUI.

%d blogueiros gostam disto: